Bisturi

Orgãos recolhidos após a morte em 2016 é o valor mais alto de sempre

O Instituto Português do Sangue e Transplantação os dados da doação e transplantação de órgãos do ano de 2016 e sabe-se agora que foram colhidos 945 órgãos em 2016, no conjunto de doações em vida e de recolhas ‘post mortem’, uma diminuição em relação a 2015.

No entanto, apesar de o número de transplantação ter diminuído, a recolha de orgãos post mortem registou o número mais elevado de sempre: 936 órgãos colhidos para transplantação, verificando-se um crescimento de 4,5 porcento do que em 2015.

Através da recolha de órgãos funcionais em cadáveres foi possível realizar 864 transplantes, mais 5% (ou 40 transplantes) que em 2015.

A Coordenadora Nacional da Transplantação Ana França esclarece que se deu em Portugal o maior número de sempre de transplantes hepáticos e pulmonares, além de uma subida na transplantação renal. No entanto, sentiu-se uma quebra na recolha de  fígados, rins, pâncreas e corações em 2016.

Para Ana França a redução do tempo de espera bem como das listas de espera permitiu que se tenha realizado o maior número de transplantes dos últimos cinco anos.

 


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: