Mundo

Morte de Steve Jobs: Obama lamenta perda do “visionário” da Apple

steve_jobs_appleSteve Jobs não resistiu a um cancro do pâncreas, que o afastara do cargo de CEO da Apple, e morreu na madrugada desta quinta-feira. Um dia depois do lançamento do iPhone 4S (‘S’ bem pode servir de homenagem), Steve foi derrotado pela doença que o atormentava.

Tinha 56 anos e desde 2004 lutava contra a doença. Num primeiro diagnóstico, os médicos previram que não vivesse mais de seis meses. No entanto, evoluiu positivamente e, apesar de o seu estado de saúde se ter agravado, mantinha a esperança de derrotar o cancro.

O Presidente dos Estados Unidos já emitiu uma nota a lamentar a morte daquele que Barack Obama considera ser “um visionário”. Também Bill Gates, fundador da Microsoft, fez o mesmo.

A vida de Jobs

Filho de uma americana e de um emigrante sírio (Joanne Simpson e Abdulfattah John Jandali), Jobs nasceu a 24 de fevereiro de 1955, em São Francisco, Califórnia, e foi entregue para adoção. Paul e Clara Hagopian Jobs adotaram-no e batizam-no com o nome Steven Jobs.

Frequentou a universidade, Reed College em Portland, Oregon, e no final de 1970 desenvolve os primeiros computadores pessoais bem sucedidos: a série Apple II.

É considerado um visionário, porque foi umas das primeiras pessoas a perceberem o alcance deste equipamento. Essa capacidade de prever o futuro leva-o a criar o célebre Macintosh.

Demite-se da Apple em 1984, depois de uma disputa interna, fundando a empresa NeXT. No entanto, estava escrito que a Apple seria o seu ponto de partida e de chegada: regressa à empresa quando a Apple compra a NeXT, em 1996.

Entre 1997 e 2011, foi CEO da Apple, abandonando o cargo devido ao cancro no pâncreas que lhe fora detetado em 2004. Foi substituído por Tim Cook. Um dia depois da apresentação do iPhone 4S – a quinta versão deste smartphone, Steve perde a vida.

“Lembrar-me que um dia todos estaremos mortos foi a mais importante ferramenta que já encontrei, para me ajudar a tomar as grandes decisões da minha vida”, disse um dia Steve Jobs. A morte, que pôs um ponto final na sua vida, paradoxalmente, esteve sempre ligada ao seu sucesso.

Mais partilhadas da semana

Subir