Nacional

“Luísa foi injustamente crucificada em praça pública”, defende Cláudio Ramos

A discussão entre Luísa Castel-Branco e Joana Latino conheceu um novo capítulo. Cláudio Ramos saiu em defesa de Luísa, lamentando que esta tinha sido “injustamente crucificada em praça pública”.

O caso começou no Passadeira Vermelha de 17 de janeiro, quando Joana Latino e Luísa Castel-Branco trocaram opiniões fortes sobre a maternidade.

“Eu conheço muito bem a Luísa Castel-Branco para garantir que foi injustamente crucificada em praça pública ao longo destes dias”, comentou Cláudio Ramos, também ele presença regular no programa.

Cláudio Ramos explicou, no blogue, que Luísa Castel-Branco não se estava a referir sobre o caso pessoal de Joana Latino, que não pode ser mãe, mas referia-se antes à família Kardashian.

Sobre o ‘insulto’ de Luísa quanto ao “problema de psiquiatria” da colega, o cronista social admitiu que “foi infeliz”.

“Está descontextualizado”, insistiu Cláudio Ramos, apelando ao que olhe para todo o histórico de Luísa Castel-Branco antes de serem formuladas conclusões apressadas.

“Basta olharmos para o caminho profissional dela, para sua posição pública e para a sua atitude perante a vida ao longo destes anos”, insistiu.

Cláudio Ramos deixou ainda a garantia de que Castel-Branco nunca quis ofender, fosse Joana Latino ou qualquer outra pessoa.

“Em momento nenhum a Luísa quis ofender as mulheres que não têm filhos porque não podem ou porque não querem”.

“Gostamos muito de encontrar vítimas e inventar polémicas”, concluiu o cronista.

Mais partilhadas da semana

Subir