Economia

Líderes europeus convidam Portugal a adotar novas medidas de austeridade

passos_coelho4A declaração final da cimeira que juntou os líderes europeus em Bruxelas, convida Portugal a “estar disposto a tomar medidas adicionais” de austeridade, no sentido de cumprir as metas orçamentais.

A cimeira de líderes de países da Zona Euro terminou com uma declaração, que aponta um caminho ao Governo português: manifestar-se aberto a tomar mais medidas de austeridade, com a finalidade de cumprir o défice, através do programa de reajustamento.

Portugal deve “disponibilizar-se para adotar medidas adicionais”, segundo refere a declaração final da reunião de ontem. Além de Portugal, também a Irlanda merece nota positiva, na aplicação das medidas de reajustamento económico, ao abrigo do plano de resgate financeiro.

“Os dois países devem manter os esforços, devem manter o compromisso para com as metas orçamentais acordadas. E deve estar disponíveis para tomar quaisquer medidas adicionais necessárias, tendo em vista o objetivo de atingir essas metas”, refere a declaração.

Os líderes da Zona Euro elogiam o executivo de Pedro Passos Coelho, mas manifestam algumas reservas. “Portugal revela que faz progressos positivos” nas políticas de controlo do défice e “no seu programa” demonstra que “está determinado em continuar a levar a cabo medidas que suportem a sustentabilidade orçamental e melhorar a competitividade”.

Passos Coelho, já depois da reunião de Bruxelas, considerou que esta reunião permitiu à Europa criar instrumentos suficientes. “Se tudo o que foi aprovado em matéria de recapitalização funcionar, como esperamos, temos razões para, com moderado otimismo, acreditar que os próximos tempos vão trazer a normalização da Zona Euro”, afirmou Passos Coelho.

“Admiti, teoricamente, de o programa de reajustamento ser reforçado, caso a crise grega não fosse resolvida. Saio daqui com a expetativa de que a situação da Grécia se resolve, pelo que não necessitaremos de nova ajuda”, referiu, garantindo que Portugal “vai atingir as metas do défice.”

Mais partilhadas da semana

Subir