Saúde

Lares recebem jovens doentes com esclerose múltipla: SPEM sem capacidade de resposta

esclerose_multiplaA Sociedade Portuguesa de Doentes com Esclerose Múltipla (SPEM) lança apelo às entidades públicas, no sentido de apoiarem a instituição a construir um espaço que acolha doentes, para que estes recebam cuidados continuados. Há terreno e projeto, sobra boa vontade e empenho, mas faltam meios financeiros para edificar um espaço que possa receber todos os doentes com esclerose múltipla e evitar que jovens sejam colocados em lares.

Cerca de metade dos pacientes jovens acabam por ser entregues a lares, porque a SPEM não tem meios para os acolher. O alerta foi lançado em vésperas do congresso anual e no Dia Nacional da Esclerose Múltipla, que se assinala a 4 de dezembro.

Um em cada dois doentes jovens com esclerose múltipla acaba por ser reencaminhado para um lar, em virtude da falta de condições que a SPEM assume, mas contra a qual luta diariamente. Num momento em que reúne em congresso, esta sociedade lança de novo o apelo às entidades públicas, para que prestem apoio na construção de instalações que permitam acolher todos os pacientes.

A SPEM já dispõe de um terreno (doado pela Câmara de Oliveira do Hospital) e de um projeto. Carece de meios financeiros para edificar uma infra-estrutura que permitirá evitar um problema que trespassa as fronteiras da saúde e entra na área social e humana.

Este é o mote para o VIII Congresso Nacional da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla, que se realiza amanhã, 3 de dezembro, na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, e na véspera do Dia Nacional da Esclerose Múltipla.

As evoluções terapêuticas, a gestão da patologia, os tratamentos e as condições dos doentes em Portugal vão ser alvo da discussão, com a participação de diversos psicólogos e neurologistas.

A esclerose múltipla é uma doença crónica de causas desconhecidas, que afeta cerca de 6000 portugueses. Provoca fraqueza muscular, rigidez e dores articulares, além de descoordenação motora. Nos casos mais graves, pode levar a complicações respiratórias.

Mais partilhadas da semana

Subir