Insólito

Indústria pornográfica é o alvo de proposta de lei em Los Angeles para uso de preservativo

preservativosA indústria pornográfica está a seguir com atenção uma proposta de lei que irá a votos, na cidade de de Los Angeles, para determinar se os atores pornográficos devem ou não usar preservativo. Em confronto está a prevenção da sida e a estética dos filmes.

Um ator pornográfico deve ou não usar preservativo? Será esta questão (ou semelhante) que a cidade de Los Angeles, nos EUA, vai decidir quando votar, em novembro, uma proposta de lei sobre o uso deste contracetivo. A favor do sim estão os grupos ligados à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, em especial a sida; contra está a indústria discográfica, por motivos de estética cinematográfica.

“Muitos dos espectadores que assistem a filmes pornográficos em casa não querem ver atores a usar preservativo”, explicou Keiran Lee, uma conhecida estrela desta categoria de filmes, citada pela BBC. Em contraponto, a porta-voz da Aids Healthcare Foundation, Lori Yeghiayan, salienta que a pornografia não pode ser exceção a regras de saúde pública, já aplicadas em setores como salões de estética e lojas de tatuagens.

A polémica começou em janeiro com uma petição, promovida por grupos de prevenção da sida, a exigir o uso de preservativo em todos os filmes que tenham cenas de sexo ou nudez explícita. O documento já foi assinado por cerca de 370 mil pessoas, quando 232 mil bastavam para a petição se transformar em proposta de lei para votação estadual.

É na cidade de Los Angeles que se concentra a maior parte da indústria pornográfica, movimentando cerca de 3,2 mil milhões de euros por ano e empregando mais de 20 mil pessoas, segundo estimativas do jornal Los Angeles Times.

Mais partilhadas da semana

Subir