Tecnologia

‘If I Die’: Aplicação do Facebook usada como isco para infetar computadores

spamAplicação é promovida através de emails, que escondem um perigoso código malicioso destinado a roubar as palavras-chave dos utilizadores e tomar o controlo dos seus computadores.

BitDefender, provedor de soluções de segurança antimalware para a Internet, localizou uma vaga de correios eletrónicos que estão a tirar partido de uma popular aplicação do Facebook para infetar os computadores dos utilizadores.

Os utilizadores recebem um correio eletrónico no qual se lhes oferece a possibilidade de descarregar uma aplicação para o Facebook chamada ‘If I die’ que permite deixar uma mensagem para os seus seres queridos para que o oiçam depois da sua morte.

Contudo, se os utilizadores descarregarem o arquivo em anexo que está no email, o que falecerá será o seu computador, já que será vítima de um ataque combinado que inclui uma infeção de um keyloger e um backdoor.

O primeiro encarregar-se-á de roubar todas as palavras-chave que o utilizador introduza no seu equipamento, passando-as depois ao seu criador para que possa aceder a contas bancárias, correio eletrónico, página do Facebook, etc. do utilizador infetado.

O backdoor, por seu lado, abre uma porta no equipamento e permite ao seu criador tomar o controlo do mesmo, permitindo-lhe utilizá-lo com fins maliciosos e, inclusive, tirar fotografias através da webcam se o equipamento tiver uma instalada.

Finalmente, um terceiro componente descarrega no equipamento um falso ecrã do jogo online Steam com o intuito de, se o utilizador tiver conta neste jogo, roubar-lhe também as chaves de acesso.

“Este ataque combinado é muito perigoso já que deixa toda a informação do utilizador ao alcance da mão dos ciberdelinquentes, de maneira a que estes possam aceder à suas contas, roubar a sua identidade, roubar dinheiro, entre outros”, explica Jocelyn Otero Ovalle, da BitDefender.

Curioso é o facto de “os ciberdelinquentes terem eleito como isco uma aplicação que existe”, seguramente “para se aproveitarem da sua popularidade”.

Mais partilhadas da semana

Subir