Motores

Hugo Araújo não vence mas convence

Hugo Araújo não venceu no troféu Super Seven by KIA em Vila Real mas fez uma boa operação em termos de campeonato. O campeão em título tinha como objetivo ganhar no traçado transmontano, como tinha sucedido na última visita ao traçado transmontano, em 2014. Mas isso acabou por não ser possível.

A vitória ficou mais longe do piloto bracarense pois o seu Caterham não tinha a afinação certa para o circuito urbano de Vila Real, muito técnico e com exigências muito específicas.

“Infelizmente durante os treinos livres não fui capaz de perceber que o Setup não era o ideal para este traçado. Como arranquei com pneus novos e também como achei que não fazia sentido atacar desde logo o cronómetro, achei que tinha margem de progressão mantendo o Setup definido”, explica Hugo Araújo.

“Para piorar, o Nuno (Santos) bem mais experimentado em termos de afinações do que eu nem rodou devido à interrupção do treino por óleo na pista”, referiu o piloto do Caterham nº 99, que acabaria com o sexto tempo.

Hugo Araújo adotou uma toada cautelosa no início da corrida, pois sabia que não podia ganhá-la na primeira volta, e muito menos num circuito citadino. E acabou por ser ultrapassado e descer para sétimo. is rápido em pista e encetou uma recuperação notável.

“Julgo que fiz uma das melhores provas da minha carreira. Passar de sétimo para terceiro num circuito como Vila Real, num troféu tão equivalente e competitivo como este deixa-me satisfeito”, referiu o piloto minhoto.

“Saio triste por não vencer a prova que tanto queria vencer, pelo público, pelos amigos, pelos patrocinadores e pelo significado que tem para mim, mas acaba por ser uma boa operação para o campeonato tendo em conta a posição em que estávamos no início da corrida”, acrescentou Hugo Araújo, que terminou a prova no terceiro lugar da geral e segundo entre os portugueses quando a mesma foi interrompida devido a um acidente na zona da rotunda da MCoutinho.

Mais partilhadas da semana

Subir