Fórmula 1

Hamilton e Bottas entre a deceção e a expetativa

A qualificação do Grande Prémio da China de Fórmula 1 não foi nada daquilo que os pilotos da Mercedes esperavam, sobretudo Lewis Hamilton, que acabou apenas com o quarto tempo.

Tanto o Campeão do Mundo como Valtteri Bottas nunca se mostraram à altura do andamento evidenciado pelos pilotos da Ferrari, que acabaram por discutir a ‘pole position’ para a corrida de domingo. E se o finlandês mantém alguma expetativa para a prova de domingo, Hamilton não esconde a sua deceção. Isto para além de um pião que o deixou algo embaraçado.

“O carro fugiu-me ao controlo. O andamento já não estava lá depois dos bons resultados nos treinos livres. Não há dúvida que a Ferrari melhorou os seus carros entre sexta-feira e hoje. Talvez tenham escondido o jogo ontem e hoje foram muito rápidos. Abortei a minha última tentativa na Q3 com cinco décimas de atraso, sentia-me incapaz de seguir o ritmo deles”, confessou o Campeão do Mundo.

A esperança de Hamilton reside na meteorologia, que o britânico espera que se altere para a corrida: “Não é evidente que possamos bater Kimi (Raikkonen) e Sebastian (Vettel) amanhã. Eles são mais rápidos também em reta. Ultrapassá-los poderá ser uma tarefa árdua. Não sei se poderemos rivalizar com eles”.

Bottas também não se mostra muito otimista, ainda que não procure desculpas para o seu desempenho na qualificação: “Viemos para aqui visando a ‘pole’ mas a situação foi diferente. Penso que extraí todo o potencial do meu monolugar. Talvez que não estejamos a fazer funcionar os pneus da forma ideal, mas penso que aí poderíamos ter batido os Ferrari. É dececionante já que a diferença é uma consequência disso”.

“Temos trabalho pela frente. Estivemos mais à vontade com os pneus duros e vamos começar a corrida com os macios. Isso poderá vir a favorecer-nos”, acrescenta o finlandês.


Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir