Nas Notícias

Graça Fonseca, a primeira política portuguesa que assume a homossexualidade

Numa entrevista ao Diário de Notícias, Graça Fonseca, secretária de Estado da Modernização Administrativa, assumiu a homossexualidade, para combater um mal: o facto de as questões de identidade ainda serem fundamento para ações violentas.

É a primeira vez que um político em funções se assume homossexual após assumir um cargo. Alexandre Quintanilha chegou à política já depois de o ter feito e há o ex-deputado Miguel Vale de Almeida que também o fez. O caso de Graça Fonseca torna-se assim mais relevante.

Não deveria sê-lo, mas a própria secretária de Estado da Modernização Administrativa concorda com essa relevância.

“A questão que se põe então é porque é que é importante. E para mim não é. Mas para muitas pessoas é, e acho que é por razões absolutamente irracionais, porque na verdade não tem relevo nenhum. Porquê dizê-lo, então? Como é óbvio isto foi uma questão muito pensada”, afirmou, na sua primeira entrevista de fundo, onde abre as portas da sua privacidade.

“É indiferente se estou com um homem ou com uma mulher. Não altera em nada a forma como faço o Simplex, como faço o orçamento participativo”, afirma.

Graça Fonseca defende que há motivos para que as pessoas se assumam homossexuais.

“Acho que se as pessoas começarem a olhar para políticos, pessoas do cinema, desportistas, sabendo-os homossexuais, como é o meu caso, isso pode fazer que a próxima vez que sai uma notícia sobre pessoas serem mortas por serem homossexuais pensem em alguém por quem até têm simpatia”, justifica.

A secretária de Estado entende ainda que estas “questões de identidade” ainda “são fundamento de ações violentas e discriminação”.

“Quando se pensa sobre o que fazer – vou abrir ligeiramente a porta porque pode ter um impacto positivo ou não vou abrir porque não é comigo – há um equilíbrio difícil”, conclui.

Refira-se que esta entrevista não se resumiu a esta revelação. Porém, o objetivo do seu ato leva a que se destaque estas afirmações de Graça Fonseca.

Mais partilhadas da semana

Subir