Mundo

Fotografia da autópsia de Michael Jackson indicia homicídio por negligência

michael_jackson_autopsiaA última sessão do julgamento de Conrad Murray – médico que responde pela acusação de morte de Michael Jackson – ficou marcada pela exibição de uma foto do corpo do cantor, numa mesa de autópsia (magro, com algumas mazelas no peito e muitas picadas de agulhas). O testemunho do médico-legista que o autopsiou, Christopher Rogers, aponta para homícídio por negligência.

A fotografia de Michael Jackson numa mesa de autópsia e o testemunho de Christopher Rogers indiciam que o rei da pop não poderia ter autoadministrado propofol, a substância que lhe provocou a morte. O médico-legista aponta a teoria de homicídio por negligência, alegadamente praticado por Conrad Murray.

Christopher Rogers refere “não há sinais de autoadministração de propofol”. Ou seja, seria impossível ao rei da pop ter auto-injetado o medicamento, nas circunstâncias que o médico Conrad Murray defende.

Outros indicadores estão relacionados com o estado de saúde de Jackson. Segundo foi possível avaliar na autópsia, o cantor apresentava-se bem, sem elevados níveis de colesterol, ou sequer com eventuais problemas que conduzam a falência cardíaca.

Nesse sentido, segundo Christopher Rogers, só um fator justifica a morte de Michael Jackson: “a sobre-dosagem de propofol”. O médico legista alega ainda que “este medicamento não deve ser utilizado para combater uma insónia”.

Recorde-se que Conrad Murray, médico do cantor acusado da morte, justificou que prescreveu o medicamento para ultrapassar o problema que Michael enfrentava, com dificuldades para dormir.

Esta sessão do julgamento colocou Murray em maus lençóis e a foto exibida na autópsia, que foi analisada em detalhe, também permite retirar conclusões que indiciam que não foi Michael Jackson a injetar-se com propofol.

Mais partilhadas da semana

Subir