África

Filipe Nyusi afirma que Governo e Renamo estão a finalizar acordo para reintegrar antigos guerrilheiros

O Governo e a Resistência Nacional Moçambicana, principal partido de oposição, estão a finalizar um acordo para o desarmamento, desmobilização e reintegração dos combatentes da Renamo nas forças de segurança, afirmou hoje o presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

O chefe de Estado adiantou durante uma intervenção sobre o tema “Promoção da paz sustentável, democracia e desenvolvimento inclusivo em Moçambique” no Instituto Real de Relações Internacionais (Chatham House), em Londres, que as negociações com o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, estão a dar frutos.

“Conseguimos encetar um diálogo com o presidente da Renamo e através de contactos temos estado a construir confiança mútua, que até ao momento ajudou o nosso país a parar com a violência, mesmo que tenha sido localizada”, saudou.

Agradecendo o contributo do apoio e cooperação internacional para a pacificação, referiu o acordo sobre a revisão para o aprofundamento da descentralização que prevê a eleição de governadores provinciais a partir de 2019.

“Através da busca de soluções em relação aos nossos diferendos e contestações, alcançamos consensos em matéria de descentralização e estamos prestes a finalizar os assuntos relativos a desarmamento, desmobilização e reintegração dos combatentes da Renamo”, adiantou.

Nyusi revelou que “uma das formas que se pretende encontrar é a representatividade relativa nas forças de defesa e segurança, conscientes de que mais de 60 por cento dos seus membros não são produto do acordo de paz de 1992”.

Porém, mostrou-se determinado em encontrar um consenso, já que “o que se pretende do processo de diálogo é a paz efetiva, duradoura e sustentada, estabilidade política como uma plataforma para o desenvolvimento económico inclusivo de Moçambique”.

Mais partilhadas da semana

Subir