Fórmula 1

Estratégia da Red Bull surpreendeu a Mercedes

Se há momento que mudou tudo no GP da China ele foi a paragem nas boxes que colocou os dois Red Bull com pneus macios, abrindo a ‘porta’ da oportunidade à vitória de Daniel Ricciardo.

Ao invés, e tal como a Ferrari, a Mercedes foi completamente apanhada desprevenida por este episódio, ainda que ele fosse difícil de prever, pois só surgiu devido a uma situação de ‘safety car’ provocado pela colisão entre os dois Toro Rosso.

Nem Mercedes nem Ferrari conseguiram aproveitar a oportunidade, e o facto de terem pneus duros mais usados acabou por deixá-los à mercê de Ricciardo e Max Verstappen. E pela voz de Toto Wolff a equipa Campeã do Mundo admite que avaliou mal a situação, não reagindo a ela como decida.

“Pensamos que a posição em pista seria mais benéfica. Viu-se na primeira parte da corrida que não houve ultrapassagens. Lewis estava com pneus médios nessa fase, mal tinham 10 voltas. Os nossos cálculos previam que os médios durariam até ao fim, e colocar novos macios não nos daria uma tal vantagem em termos de performance”, justificou Wolff.

Mas o diretor da equipa Mercedes admite que se enganou redondamente: “A vantagem foi muito maior do que prevíamos. Olhando para trás estaríamos seguros de ter a estratégia certa ao usarmos pneus macios, mas ninguém na equipa, incluindo eu próprio, pensamos que seria a coisa certa a fazer”.

Wolff considera no entanto que a sua equipa não foi distraída por estar demasiado focada no que faziam os Ferrari: “Não. Simplesmente o que veio a suceder não estava no nosso ‘radar’, independentemente das circunstâncias. Ferrari e Mercedes decidiram-se pela mesma estratégia e mantiveram-se em pista. Não tenho a certeza se a Red Bull foi surpreendida pelo seu andamento, mas nós fomos e todos os outros também. Nessas condição foi o correto a fazer, mas não estava no nosso ‘radar’”.

Mais partilhadas da semana

Subir