Desporto

Diretor-geral do FC Porto investigado por corrupção, avança o CM

Luís Gonçalves está a ser investigado por corrupção ativa, avança o Correio da Manão. A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma a existência de um processo, mas não refere se é sobre o diretor-geral do FC Porto.

À agência Lusa, o Ministério Público confirmou que está a decorrer um inquérito conduzido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Braga, não esclarecendo se envolve ou não o dirigente portista.

“No âmbito deste processo investigam-se factos suscetíveis de integrarem o crime de corrupção no fenómeno desportivo. O inquérito encontra-se em investigação, não tem arguidos constituídos e está sujeito a segredo de justiça”, adiantou uma fonte da PGR, citada pela Lusa.

Mas o Correio da Manhã cita uma outra fonte da PGR, sem a identificar, que garante Luís Gonçalves como o visado desta investigação.

 

O Ministério Público (MP) terá, de acordo com ambas as fontes, pedido diversos documentos à Federação Portuguesa de Futebol, tais como as nomeações da jornada do polémico Sporting de Braga-FC Porto da última época.

Nessa partida, os portistas queixaram-se do trabalho do árbitro Hugo Miguel e do quarto árbitro Tiago Antunes.

Quem reagiu foi o Benfica, dizendo que “não dá para disfarçar mais”.

O departamento de comunicação das águias considera que Luís Gonçalves não consegue “disfarçar mais”.

“Diretor-geral sob suspeita de corrupção ativa, crimes de divulgação ilícita correspondência privada, capangas a ameaçar dirigentes desportivos, invasão de centro de treino dos árbitros, ameaças e coação semanal sobre árbitros e famílias… não dá para disfarçar mais”, pode ler-se na conta ‘Benfica Press’, na rede social Twitter, citada pela Renascença.

Árbitro não relatou ameaças

As notícias da nova investigação por corrupção no futebol – era já conhecida uma sobre o Benfica, confirmada pelas autoridades, no chamado caso dos emails – surgem horas depois de ser conhecido o relatório de Hugo Miguel sobre esse Sporting de Braga-FC Porto.

Nem o árbitro, nem o quarto árbitro (com um campo próprio no relatório) referiram qualquer tipo de intimidação, pressão ou ameaça por parte de Luís Gonçalves, como tinha sido avançado pelo Benfica.

Mais partilhadas da semana

Subir