Mundo

Dentro de cinco anos o dinheiro físico não será usado, sugerem especialistas

As opiniões dividem-se. Há quem acredite que as criptomoedas sofrem um efeito de bolha e acabaram por implodir; por outro lado, há especialistas que antecipam que a Bitcoin será a moeda do futuro e que, dentro de cinco anos, o dinheiro ‘real’ deixará de ser utilizado.

Um grupo de conceituados investidores de capital de risco acredita que, no prazo de cinco anos, o dinheiro real como o conhecemos chegará ao fim. Ou melhor, será substituido pela Bitcoin, uma criptomoeda.

Os especialistas antecipam que na Europa, uma vez que as moedas não se baseiam no valor dos metais que as compõe, deixarão de ser utilizadas, dando lugar à Bitcoin ou a outras criptomoedas.

O investidor em capital de risco Tim Draper, em declarações à Forbes, afirmou que o aparecimento das criptomoedas irá torná-las tão relevantes que não haverá qualquer razão para andarmos “com dinheiro na carteira”.

“Se alguem tentar usar uma moeda, será alvo de troça”, sublinha.

Nos dias que correm, a Bitcoin tem uma capitalização de cerca de 96 milhões de euros. A Forbes considera este valor relativamente baixo quando comparado com o valor globar da moeda “real”, 1,7 milhões de euros, mas sublinha que a bitcoin valorizou-se em mais de 600 por cento, apenas neste ano de 2017.

Em 2014, Draper investiu 18 milhões de euros em bitcois. Comprou cerca de 30 mil bitcoins apreendidos, sensivelmente a 500 euros cada um.

Agora, três anos mais tarde, as mesmas 30 mil bitcoins valem perto de 173 milhões de euros.

“Esta é a melhor tecnologia que surgiu desde a Internet. É uma transformação sociológica, um movimento”, explica Draper.

O valor das moedas está limitado, muitas vezes, pelas fronteiras dos países. Draper explica que a moeda da Nigéria, Naira, desvaloriza cerca de 30 por cento ao cruzar a fronteira.

Nesse sentido, o investidor acredita que as criptomoedas serão o futuro, apesar das críticas de que tem sido alvo. Draper defender que “há sempre quem vá dizer que existe um problema, e isso geralmente significa que o potencial de crescimento é muito mais alto”, conclui.

Mais partilhadas da semana

Subir