Ciência

Cientistas descobrem o novo continente: a Zelândia

O planeta Terra acaba de ganhar o sétimo continente: a Zelândia. A descoberta é o culminar de duas décadas de investigação, segundo Nick Mortimer, um dos cientistas. O estudo que foi publicado na revista ‘Geological Society of America’ revela que a Nova Zelândia, Nova Caledónia e vários grupos de pequenas ilhas fazem parte de uma massa continental com 4,9 milhões quilómetros quadrados.

Uma equipa de investigadores das Universidades de Wellington, na Nova Zelândia, e de Sydney, na Austrália, assim como do Serviço Geológico da Nova Caledónia, descobriu aquele que será o novo continente do planeta Terra. O estudo intitulado “Zelândia: O Continente Escondido da Terra” foi publicado na revista científica ‘Geological Society of America’.

Deram-lhe o nome de Zelândia, situa-se no Oceano Pacífico, a leste da Austrália, tem 4,9 milhões de quilómetros quadrados e cerca de 94 por cento do seu território está escondido abaixo do nível do mar.

De acordo com os cientistas, a Zelândia integrou o supercontinente Gondwana, que foi formado há cerca de 200 milhões de anos, durante o período Jurássico Superior, no qual se integravam também os territórios da Antártida, América do Sul, África, Madagáscar, Índia, Seychelles, Austrália, Nova Guiné, Nova Zelândia e Nova Caledónia.

O supercontinente de Gondwana resultou da divisão de Pangeia que existiu num período compreendido entre 540 e 200 milhões de anos atrás, originando posteriormente todos os continentes que atualmente conhecemos.

No entanto, poderá questionar-se porque deverá a Zelândia ser considerada um continente, uma vez que apenas seis por cento do seu território está acima do nível do mar. A resposta é simples: pondo a visibilidade à parte, tem todas as características que permitem atribuir-lhe o estatuto de continente.

Através do estudo da deriva continental e das características do terreno, é possível sinalizar os marcadores que confirmam a existência de um continente: “A região tem batimetria [medição da profundidade dos oceanos] elevada em relação à crosta oceânica circundante, rochas diversas e ricas em sílica e uma estrutura de crosta espessa e de relativa baixa velocidade”, explicam os cientistas.

“O seu isolamento da Austrália e grandes áreas suportam a sua definição como um continente”. Este novo território também se distingue por ter uma crosta mais espessa e menos densa do que o fundo do oceano circundante.

“O valor científico da classificação da Zelândia como um continente é muito mais do que apenas um nome extra numa lista”, sublinharam os cientistas, frisando que o facto de estar submerso e não fragmentado, torna-o algo útil e estimulante na exploração da crosta continental.

Receba esta e outras notícias virais no seu e-mail todos os dias!


Vídeos em Destaque

Patrocinado

Newsletters PT Jornal

O que quer receber?

Mais partilhadas da semana

Subir
error: