Saúde

Cancro mata 115 pessoas por dia em Portugal

cancro_intestinoO cancro tirou a vida a cerca de 42 mil pacientes portugueses, durante o ano de 2010. Dados da Liga Portuguesa Contra o Cancro apontam para um agravamento destes números, em virtude do envelhecimento da população e da ausência de políticas preventivas. Um terço das mortes poderia ser evitado.

Por cada dia que passou em 2010, morreram em Portugal 115 pessoas vítimas de cancro, 3500 por mês, ou 42 mil em todo o ano. Dados assustadores, divulgados pelo Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro. E também assustador é o facto de uma em cada três mortes poder ser evitada.

Em declarações à agência Lusa, o presidente deste núcleo regional, Vítor Veloso, revela grande preocupação, pelo presente, mas, acima de tudo, pelos próximos anos, que deverão agravar a realidade. Falta uma atitude preventiva.

“O Estado não poderá esquecer que a prevenção é uma ‘arma’ fundamental. Devem implementar-se medidas que permitam uma redução da incidência e da mortalidade nos doentes oncológicos”, refere.

Vítor Veloso sustenta que “envelhecimento da população e as mudanças nos estilos de vida” poderão provocar um aumento da prevalência de doenças do foro oncológico e, automaticamente, do número de óbitos por doenças cancerígenas. “A tendência que prevemos é um aumento de casos”, refere.

Este núcleo regional da Liga promoveu uma iniciativa que teve como objetivo alertar para uma realidade preocupante. Centenas de pessoas deram as mãos, em nome da prevenção contra esta doença.

A ação decorreu na Maia, ontem, formando um cordão humano. “Queremos que o cancro não esteja associado ao luto, mas à esperança. Não podemos olhar esta doença como uma fatalidade que leva à morte e contra a qual não podemos lutar”, referiu à Lusa Cristiana Fonseca, da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Mais partilhadas da semana

Subir