Bisturi

As mulheres querem entrar!

No dia 25 de Marco de 1911, o vespertino “A Capital”, deu destaque à luta pelo voto de Carolina Beatriz Ângelo com o título “As mulheres querem entrar: se a lei não nos abre a porta, também não nos põe na rua”.

Carolina, médica, viúva e chefe de família foi a primeira mulher a exercer o direito de voto em toda a Europa Central e do Sul.

Fez uma leitura ousada da lei, peculiarmente feminina, uma leitura, aliás, que os homens republicanos daquela época foram incapazes de prever.

Curiosamente, no mesmo ano em que “A Capital” destaca a luta de Carolina, celebra-se pela primeira vez o dia Internacional da Mulher na Europa, após ter sido instituído durante uma conferência internacional de mulheres que decorreu em 1910 em Copenhaga.

A ideia de instituir o dia internacional da mulher surge no começo do século XX, no contexto da segunda revolução industrial e da primeira guerra mundial, com a incorporação de mão-de-obra feminina em massa na indústria.

Esta data é muito mais que a celebração da condição da mulher, é muito mais que a distribuição de flores pelas ruas, que tão bem nos recordam as características únicas que possuímos e que fazem com que a defesa do direito de todas as liberdades faça todo o sentido.

Esta data simboliza o longo caminho que as sociedades modernas necessitam ainda fazer, pela igualdade entre homens e mulheres.

Este dia apela a isto mesmo, que sejamos feministas convictas da casa ao trabalho, um pouco por todo o lado, durante os 365 dias de cada ano. Sendo que feminismo não é a defesa da mulher em sobreposição ao homem. Feminismo é a luta pela igualdade, que deve incluir mulheres e homens. Feminismo é desejar viver num mundo equilibrado feito para homens e mulheres, sem condicionantes para ambos os géneros: vivamos e sejamos tudo aquilo que quisermos ser sem a censura social, seja do que for e de quem for.

Esta data pede a nossa reflexão, indignação e protesto, tanto a nível económico como político, cultural e social contra a desigualdade de género que pauta diariamente a vida em sociedade por esse mundo fora. Um mundo que continua a não perceber que as sociedades mais pares são mais justas e equilibradas.

Dia Internacional da MulherSe viajarmos por este mundo fora veremos as desigualdades salariais, os desequilíbrios parentais, os desacertos na realização de tarefas domésticas, os preconceitos sexistas, a violência de género, as mortes recorrentes desta violência, o casamento infantil forçado, a mutilação genital feminina, a desigualdade no acesso à educação, as violações dos direitos humanos fundamentais em todo o mundo.

Ao viajar para a realidade Portuguesa, regressamos ao ano de 1935, no qual foram eleitas as primeiras três mulheres deputadas representando 3% dos deputados eleitos.

Hoje, devido à lei da Paridade (lei das quotas) estabelecida em 2006 as mulheres representam menos de 30%.

É claramente necessário ir mais longe quer no Parlamento, quer no poder local e regional onde estes 30% são inferiores.

É necessário ir bem longe neste âmbito nos órgãos executivos de entidades públicas e de entidades privadas.

Devemos estimular a possibilidade de utilizar toda a competência e capacidade da mão-de-obra existente. Se possuímos mais mulheres a sair das universidades com graus académicos, devemos fazer uso desse investimento.

Apesar de 60% da nossa população empregada e com qualificações ser do sexo feminino, os lugares mais importantes de gestão de decisão são apenas ocupados por homens.

Actualmente não existe qualquer mulher na presidência do PSI-20, e a presença de mulheres em cargos de administração é uma minoria.

É por tudo isto que concordo com o sistema de quotas sempre que me questionam: é o caminho que verdadeiramente possibilita o seu fim.

Olhando para países como a Suécia, onde a igualdade tem sido trabalhada desta forma e é cada vez mais uma não questão graças às metas que o sistema de quotas permitiu alcançar naquele país que se viu assim beneficiado, com estas medidas quer em crescimento económico, quer em taxas de natalidade.

O Fórum Económico Mundial diz-nos que a igualdade de género em termos económicos deverá ser atingida dentro de 170 anos, sendo que o mesmo estudo de 2015 indicava 118 anos.

Segundo o relatório de 2016, as mulheres ganham, em média, pouco mais de metade do que os homens apesar de, em geral, trabalharem mais horas.

Apenas quatro países em todo o mundo têm o mesmo número de homens e mulheres a exercerem a função de deputados, funcionários de alto nível e diretores, apesar de em 95 desses 190 países em estudo terem actualmente tantas mulheres como homens com formação universitária.

O nosso mundo está a automatizar-se diante dos nossos pés. Se através dos media e de tudo o que dispusermos não estimularmos as nossas filhas para áreas como a ciência e a tecnologia, áreas “tipicamente masculinizadas” caminharemos de ano para ano no que concerne a igualdade de género para trás.

O caminho deve começar logo na infância na forma como educamos os nossos filhos, e como a sociedade formata rapazes e raparigas.

Na Suécia, o centro Tappan, em Estocolmo, aposta em brinquedos neutros, feitos em diferentes tipos de materiais para não alimentar estereótipos.

A ideia é libertar as crianças das expectativas e das exigências que a sociedade tem em relação a rapazes por um lado, e em relação a raparigas por outro.

Todas estas questões acompanharam a minha reflexão durante este dia internacional da mulher, de flor em flor que vi ser distribuída, pensei na importância de empoderar a mulher ao meu lado, a colega, a mãe, a mulher durante os 365 dias de cada ano.

Infelizmente, esta frase de Simone de Beauvoir continua a fazer sentido:

“O homem é definido como um ser humano, a mulher é definida como fêmea. Quando ela se comporta como um ser humano é acusada de imitar o macho.”.

Só devemos parar de lutar pela igualdade de mulheres e homens no dia em que formos verdadeiramente todos seres humanos, iguais e tão diferentes na nossa complementaridade biológica. Saibamos fazer uso disso em todos os contextos da vida.


Patrocinado

Apps PT Jornal

Descarregar na App StoreDescarregar do Google Play

Newsletters PT Jornal

Selecione as newsletters

Mais partilhadas da semana

Subir
error: