Política

Alberto João Jardim recusa-se a pagar parte da dívida da Madeira

aj-jardimAlberto João Jardim, presidente do Governo Regional da Madeira, não admite pagar parte da dívida da Madeira, avaliada em 6,3 mil milhões de euros. Para o candidato do PSD, a Madeira só deve 5,8 mil milhões. “Não pago nem mais um tostão. Não pago dívidas que não são da região autónoma”, diz.

Numa ação de campanha, quando confrontado com os 6,3 mil milhões que o fisco imputa à região – mais 465 milhões do que o valor inicialmente apontado – Alberto João Jardim afirmou que não vai pagar “nem mais um tostão” do que 5,8 mil milhões.

Para João Jardim, esta é a real dívida da Madeira e o Governo Regional “não pagará dívidas que não pertençam à região autónoma”. Segundo sustenta um relatório apresentado na passada sexta-feira, o real buraco da Madeira é superior àquele que o presidente quer assumir.

O líder do Governo Regional continua a guardar dados relativamente às contas. Jardim afirma que a sua versão sobre o relatório das Finanças só vai ser apresentada “na altura própria e às entidades competentes”.

“Sova ao Governo”

Durante a campanha, Alberto João Jardim solicitou aos eleitores madeirenses uma “maioria esmagadora”, que represente uma “sova no Governo e nos poderes de Lisboa”. É a rutura total entre o PSD-Madeira e Passos Coelho.

“Se nós dermos uma sova ao Governo e aos poderes políticos de Lisboa, eles nunca mais se atreverão a tentar humilhar o povo madeirense”, disse Jardim, durante um comício, no Machico.

Recorde-se que o primeiro-ministro se demarcara do candidato social-democrata, acusando-o de gestão danosa e de uma atitude “muito grave”, ao ocultar as contas da região. Jardim não gostou e tem lançado fortes críticas a Passos.

Alberto João Jardim revela que se apresenta em eleições “de cara levantada” e diz ainda que “Lisboa escondeu números à troika”.

Mais partilhadas da semana

Subir